Conforme nossa Política LGPD, os dados aqui tratados serão disponibilizados de acordo com a regulação dos procedimentos preliminares e contratuais, bem como com base na outorga do consentimento. Você deverá concordar com os termos da presente aplicação, estando plenamente ciente da criticidade dos dados aqui envolvidos, bem como quais são as suas responsabilidades na qualidade de cliente titular.
Veja a seguir algumas informações relevantes para a sua empresa.

Renda média dos trabalhadores brasileiros é a menor desde 2017


Todos sabem do desemprego e dos problemas existentes no Brasil e a renda dos trabalhadores brasileiros não é a melhor do mundo (está muito longe disso), porém, recentemente os valores negativos têm batido recordes.

A renda média dos brasileiros no segundo trimestre deste ano (2021) é a menor desde o segundo trimestre de 2017, isso foi constatado em um estudo feito pela consultoria IDados, com base em indicadores da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad),

O levantamento considera a renda real habitual da ocupação principal dos trabalhadores, os valores já com desconto da inflação. Leia os próximos tópicos e se informe!

Motivos desse resultado

Uma das grandes causas do segundo trimestre de 2021 ser o pior em quatro anos é a pandemia, assim como afirma o pesquisador líder do mercado de trabalho da IDados, Bruno Ottoni:

“A pandemia prejudicou a renda média dos brasileiros que trabalham. Os que estão regressando ao trabalho estão encontrando um mercado fragilizado e isso prejudica a renda”.

A pandemia que vem prejudicando o planeta e não trouxe só prejuízos para saúde dos cidadãos brasileiros, ela também é uma das principais causas desse resultado negativo na economia, ela desencadeou um aumento do desemprego, e consequentemente gerou o aumento de subocupações (empregos que não oferecem boas condições para os trabalhadores).

Além disso, os efeitos da inflação também têm influência nesse resultado negativo.

Subocupações

Os trabalhadores que têm poucas horas de trabalho semanal, porém, desejam trabalhar mais horas são muitos. As subocupações bateram recorde nesse período, milhões de trabalhadores se encontram nessas condições, e isso ajuda para queda da renda média.

A subocupação se caracteriza por trabalhos com poucas horas semanais, mas que poderiam ter mais horas, os subempregos geralmente tem menos de 40 horas por semana, e com menos horas, a renda desses trabalhadores também é menor, a maioria desses trabalhadores estão na informalidade.

Em uma análise divulgada pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) a grande queda nas horas trabalhadas ficou evidente, as horas que foram efetivamente trabalhadas esse ano por muitos trabalhadores alcançaram apenas 78% das horas habituais. 

A contribuição do desemprego para queda da renda

O aumento do aumento do desemprego faz com que os empregos que estão disponíveis no mercado tenham remunerações menores que as normais, e isso impacta diretamente na queda da renda média e contribui para esse resultado. 

Apesar da taxa de desemprego no 2° trimestre de 2021 ser alta (14,1%) ela está 0,6% menor do que o primeiro trimestre deste ano (14,7%), de acordo com o IBGE. 
Fonte: Jornalcontábil | 21/10/2021